RE-SIGNIFICA

RE-SIGNIFICA

2022-02-02

Nossa equipe vem, ao longo dos anos, estudando e colocando em prática técnicas de zero desperdício e upcycling para o desenvolvimento das coleções. Seguindo esse mesmo raciocínio, o projeto Re-Significa, proposto pela nossa consultora de imagem Sueli Freitas, pretende dar vida nova às peças antigas da marca. Para Sueli, o principal valor dessa iniciativa é o não-descarte: “Abrimos espaço para as nossas clientes transformarem peças de coleções passadas, normalmente roupas que fizeram parte de um momento importante da vida delas. Com isso, estamos cuidando da história de alguém que escolheu uma peça FY para uma ocasião especial, que guarda uma memória afetiva e que, a partir desse trabalho, será transformada, ganhando um novo significado”.

Colocamos o Re-Significa em prática logo após o desfile dos 10 anos da marca, cujos looks foram elaborados a partir da desconstrução de peças de coleções anteriores. A iniciativa oferece três possibilidades às clientes: novas maneiras de usar a roupa, pequenos ajustes ou transformação da peça.

Apaixonada por relações humanas e ávida por conhecer a fundo as pessoas com quem convive, Sueli está à frente da loja há 6 anos, servindo de ponte entre as clientes e o Ateliê. Enquanto buscava entender e aprimorar sua relação com a marca, tentando trazer algo de novo para sua vida profissional, Sueli teve a ideia desse projeto. Desde então, a sua relação com a equipe de criação se intensificou: “Desenvolvemos um trabalho muito alinhado, pois eu trago o olhar humano, emocional, e eles têm a técnica, o artístico. Pego cada detalhe que a cliente deseja e transmito para o estilo, numa troca muito importante”, afirma Sueli. 

Sempre com olhar cuidadoso para as roupas, acreditamos num mundo onde tudo pode ser transformado. As peças remodeladas se tornam ainda mais especiais para nossas clientes porque, além de guardar boas lembranças, ainda adquirem um caráter de singularidade já que foram refeitas praticamente sob medida. 

"Eu estava no puerpério, e não conseguia achar nenhuma roupa para ser madrinha de um casamento. Foi quando me encantei por este vestido, e vocês ainda fizeram a enorme gentileza de colocar zíperes para eu poder amamentar! Ele tem uma história tão bonita que adoraria vê-lo transformado pelos próprios criadores para viver novos momentos!" - Iria Filgueira

O vestido (2016) que Iria usou para ser madrinha foi remodelado com o intuito de ficar mais versátil. Para dar leveza e contemporaneidade, encurtamos o comprimento e colocamos alça na parte superior. A peça permaneceu com o mix de tecidos e cores da versão inicial, mantendo o DNA da marca. 

"Já usei este vestido em diversos casamentos. É lindo, mas consigo usa-lo apenas nestas ocasiões, e por isso queria transforma-lo numa peça mais versátil para o dia a dia. Seria possível?" - Beatriz Marques

O vestido (2013) que Beatriz usava somente em festas e casamentos ganhou uma versão mais street, uma não, duas. Colocando em prática as técnicas do ‘zero desperdício’, o tecido da peça foi totalmente utilizado para construção de um novo vestido e um macacão.

"A saia deste longo tem uma estampa maravilhosa, porém a blusa é de tecido sintético, o que faz o vestido ser muito quente. Se ela fosse numa seda lisa, numa das cores da saia, por exemplo,eu poderia usa-lo com mais frequência!" - Simone Lima

Fizemos algumas mudanças no vestido da Simone (2013) que condizem com o amadurecimento da nossa marca ao longo dos anos: ajustes sutis na estrutura para deixá-lo mais confortável e utilização de tecido natural na parte superior da peça para garantir toque macio e maior respiração da pele. Além disso, modificamos a construção da peça, reposicionando a saia e dando mais leveza à parte superior. 

"Ganhei este vestido antes da maternidade. Depois da gravidez, ele ficou justo, mas o mantive guardado na esperança de voltar à forma antiga. Porém, me descobri feliz com o meu corpo atual, e vi que não faz mais sentido fazer esforços para mudar isso! Adoraria, então, poder voltar a usar a peça com as medidas que tenho hoje." - Luciana Brayner

A Luciana queria adaptar o vestido (2014) para a nova forma do seu corpo, mas sem alterar o design da peça. Sendo assim, o modelo foi ampliado com a ajuda de uma calça do mesmo tecido que tínhamos no acervo E ganhou forro de algodão, se tornando bem mais confortável. 

"Esta saia era uma peça piloto do Ateliê FY.  Eu me apaixonei pelo seu caimento, mas principalmente pela cor! Cheguei a usa-la uma vez em um Réveillon, mas como tem o comprimento longo que não costumo usar muito, gostaria de vê-la transformada em um vestido curto." - Luciana Salazar

Luciana, que trabalha na coordenação de produção aqui no ateliê, se encantou pela saia da nossa coleção 2014, especialmente pela dobradura posicionada no cós. Por ser um modelo longo, ela acabou usando poucas vezes, em ocasiões especiais. Durante o processo, optamos por transformá-la num vestido de um ombro só. Com a técnica de moulage, pudemos valorizar ainda mais o detalhe da dobra que Lu tanto aprecia, além de diminuir o comprimento da peça, tornando-a mais descontraída e versátil. 

"Esse vestido é feito com um jacquard que desenvolvi com a centenária Renauxview para uma coleção de 2011, escolhendo pessoalmente fios, cores e gramaturas. O usei pouco e ficou em meu armário por muito tempo, e resolvi transforma-lo em uma peça que pudesse usar mais, sem deixar de mostrar o desenho dos rostos de mulheres renascentistas." - Fernanda Yamamoto

O vestido (2011) tinha um grande valor sentimental para fernanda, pois foi o primeiro jacquard de algodão desenvolvido com exclusividade para a marca, em Santa Catarina. ao desmancharmos a peça, nos deparamos com um tecido de 2,5m de largura. Aproveitamos, então, todo o volume para criar um casaco geométrico, valorizando a estampa e perpetuando a afetividade envolvida naquele jacquard exclusivo. Tivemos que montar um verdadeiro quebra-cabeças para reposicionar todos os rostos da estampa na barra do casaco. 

"Acompanhei a primeira edição do projeto Re-Significa, e então tive um desejo de transformar uma blusa de decote tomara-que-caia, que acabo não usando tanto, em uma blusa com alças. Tenho relação muito próxima com os excelentes profissionais do Ateliê FY e acredito que eles farão um trabalho impecável!” - Rosana Camarini

A blusa tomara-que-caia (2018) acabava apertando embaixo do braço. Retiramos o elástico do decote e cobrimos os ombros para se tornasse uma regata, ficando bem mais confortável. Na saia, a mudança foi mais sutil, reajustando a peça para o corpo da Rosana, fazendo um ajuste no elástico da barra.

"Trabalho com consultoria de imagem, portanto as cores são um ponto fundamental no meu dia a dia. Amo cores, elas dizem muito sobre nós! Tenho um vestido que é monocromático, mas como eu estou em um momento mais vibrante, gostaria de transforma-lo em algo mais marcante e vivo.” Luciana Ulrich

Propusemos transformar o vestido (2017) da Luciana em dois, usando retalhos de diferentes cores do mesmo tecido. Um deles ficou em tons mais quentes, e o outro mais frios, casando perfeitamente com a profissão da Luciana.

“Gostaria de participar desse projeto que tanto admiro com uma das primeiras roupas que tenho da marca: o casaco em  jacquard. Sempre gostei dele, pois é uma peça elaborada, exclusiva, que faz toda a diferença na composição de um look. Queria usa-lo mais vezes, mas o acho um pouco volumoso.” Marcia Fonseca

Diminuímos a silhueta do casaco (2013) da Marcia, acrescentando um cinto e colocando passantes nas laterais para dar mais versatilidade à peça, podendo usa-lo aberto ou acinturado, conforme a ocasião.

“O conjunto de bermuda e blusa são lindos, mas eu os uso pouco, pois sou uma pessoa que adora vestidos – eles são femininos e práticos: você o veste e já está pronta e elegante. Por isso, adoraria ressignificar essas duas peças de forma que se transformassem em um vestido para poder voltar a usá-las com mais frequência.” Tania Marcourakis

Tania já nos trouxe a vontade de transformar a bermuda e a blusa (2018) em um vestido. Mudamos a alça da parte de cima de lugar para cobrir o sutiã e mantivemos o bolso da parte de baixo, uma característica da nossa marca. O maior desafio foi pensar no fechamento, pois o zíper da bermuda perdeu a função. Para resolver a questão, o substituímos por um zíper invisível na lateral.

“Possuo esse vestido que não sai do meu armário há tempos porque acabou manchando em vários pontos, mas continuo guardando-o, pois não gostaria de perde-lo de jeito nenhum… O que o Re-Significa poderia fazer para eu recupera-lo?" Eliane Muzkat & Nina Muskat

Eliane acabou manchando o vestido (2017) por exposição incorreta à luz. Recosturamos algumas partes do avesso por se tratar de um tecido dupla-face e incluímos recortes para reposicionar as áreas danificadas. Durante este processo houve uma sobra significativa de tecido que, combinado a retalhos existentes, nos permitiu também criar um novo vestido para Nina, a sua filha.

“Esse é um vestido que eu tenho há muitos anos, mas a sua silhueta muito estruturada, principalmente nas mangas, dificultam o seu uso em ocasiões mais cotidianas.” Ionildes Castro

Para resolver o incômodo de Ionildes sobre o vestido (2013), retiramos o seu forro e deixamos as mangas mais delicadas, tornando a peça mais fresca e adaptada ao nosso clima. Também reposicionamos as pregas da saia para dar mais equilíbrio, deixando a silhueta mais anatômica e feminina.